(81) 3204-2028 | contato@grupoavancar.net.br

A pandemia de coronavírus virou de cabeça para baixo a vida de quase todo mundo. Ainda assim, é preciso lembrar que mesmo os momentos difíceis podem trazer oportunidades de crescimento pessoal.

Neste caso, a literatura é uma grande aliada. Além de entreter, expande nossos horizontes, aumente o repertório e abre a mente para mundo desconhecidos. Ler com seus filhos ou outras crianças que estejam com você nesse momento é uma maneira não apenas de aproximar vocês e de reforçar vínculos, mas também, de certa forma, de melhorar a imunidade dos pequenos.

Isso porque a literatura é educativa e ajuda a combater as incertezas, alivia o estresse pelo qual todos estamos passando nessa fase, libera a criatividade e ainda é uma ótima atividade para as crianças desacelerarem o ritmo antes de dormir.

Por isso, separamos histórias que trazem alegria e esperança para você ler com seu filho e compartilhar um momento inspirador. Todas elas podem ser lidas na íntegra gratuitamente na internet. Acompanhe!

 

1. Uma lenda africana

Ubuntu conta a história de um antropólogo que, ao visitar um povoado africano, resolveu fazer uma brincadeira com as crianças. Colocou um cesto de frutas perto de uma árvore e avisou ao grupo que a primeira criança que chegasse à árvore ficaria com o cesto.

Diferentemente do que se poderia esperar, no entanto, as crianças correram todas de mãos dadas e chegaram juntas à árvore, dividindo o conteúdo do cesto entre elas. Questionadas sobre o motivo de terem agido daquela forma, responderam: “Ubuntu”, que, na cultura Zulu e Xhosa, significa “sou quem sou porque somos todos nós”, ou seja, a cooperação é que gera a harmonia, a partir da felicidade de todos.

Gostou da história? Então, clique aqui para ter acesso ao texto completo.

 

2. Uma lenda indígena

Como boa parte das lendas indígenas, esta história está relacionada com a natureza e a descoberta das maravilhas que ela apresenta. Conta que a grande nação indígena Kaiapós habitava um mundo em que não havia céu nem nada relacionado a ele (sol, lua, estrelas, cometas, arco-íris e pássaros).

Um dia, um jovem índio avistou um tatuzinho amedrontado e tentou caçá-lo. O pequeno animal fugiu, e o índio foi atrás dele. Conforme corria, o tatu foi ficando maior até que cavou um grande buraco e desapareceu nele. Ao entrar no buraco também, o índio viu um ponto luminoso e decidiu segui-lo.

Viu o ponto de luz se transformar em uma grande abertura e então enxergou um grande céu azul, cercado por um rio e uma grande mata. Conheceu também o Sol, que se movia e fugia dele até desaparecer. Viu surgir em seu lugar a Lua e mais um milhão de estrelas que piscavam e brilhavam, iluminando o céu e a terra.

O jovem índio voltou à sua terra, onde espalhou a novidade, e o pajé consentiu que todos da tribo seguissem o caminho aberto pelo tatu, chegando ao Mundo Novo que seria seu lar a partir dali.

A história completa está no site Escola Educação.

 

3. Um conto indiano

Esta historinha se chama “O cão preto” e mostra como a humanidade, por vezes, precisa de um empurrãozinho para fazer o que é certo. Ela conta que Shakra, rei dos deuses, se ergueu de seu trono e ficou a observar a terra. Embora se admirasse com a beleza dos oceanos, das nuvens, das montanhas com cumes de neve e dos continentes coloridos, Shakra também se mostrou apreensivo.

Ele sentiu o calor das guerras, o sofrimento dos animais e o choro de crianças, dos esfomeados, dos sós e dos pobres. Triste, bradou que era preciso fazer alguma coisa. Assim, tomou a forma de um guarda florestal e desceu à terra acompanhado de um grande cão preto, com aparência assustadora. Os olhos do cão brilhavam como fogo incandescente, seus dentes mais pareciam presas e a língua pendente era da cor do sangue.

Um soldado os avistou e Shakra se identificou como um estrangeiro. Ao olhar para o cão, viu que ele arreganhava as mandíbulas. O soldado, então, tentou impedir a entrada do forasteiro e do animal fechando os portões, mas eles conseguiram saltá-lo rapidamente.

O cão começou a juntar a pessoas do local, de forma ameaçadora, como se elas fossem ovelhas. Shakra disse a elas que seu cão tinha fome e que precisava ser alimentado. Os moradores trouxeram grandes quantidades de comida, mas nada saciava o cão preto.

Por isso, Shakra disse que o animal comeria as próprias pessoas para saciar sua fome. Quando os moradores pediram misericórdia, Shakra disse que, para isso, era preciso que eles acabassem com a guerra, alimentassem os pobres, cuidassem dos doentes, dos sem-abrigo, dos órfãos e dos velhos. Além disso, deveriam ensinar a bondade e a coragem às crianças e respeitassem a terra e todas as suas criaturas.

Obtendo essa promessa do povo, Shakra e seu cão saltaram de volta ao seu reino nos céus. Os habitantes da terra mudaram seus hábitos e Shakra pôde sorrir no seu trono dourado.

Confira a história completa no site Contadores de Histórias.

 

4. Um conto popular

Essa é uma fábula que mostra como uma pequena ação tem o poder de desencadear outras medidas, contribuindo para a melhoria geral da sociedade. Conta a história de uma menininha que ia para a escola no estado mais lamentável, com roupas muito velhas. O professor, compadecido, juntou dinheiro para lhe dar um vestido novo, azul.

Quando chegou em casa com a roupa nova, a mãe, ao vê-la, pensou que não era possível que a menina usasse uma roupa tão bonita como aquela suja como sempre. Por isso, resolveu lhe dar banho todos os dias, antes da aula.

No fim de semana, o pai da menina, olhando a criança bonita e bem-arrumada, disse à mãe que não ficava bem uma menina tão encantadora quanto aquela numa casa caindo aos pedaços. Por isso, pediu que a mãe ajeitasse um pouco a casa enquanto ele, nas horas vagas, pintava as paredes, consertava a cerca e plantava um jardim.

Assim, a casa daquela família humilde se tornou a mais bonita das redondezas. Envergonhados, os vizinhos começaram a reformar suas residências também. 

Um dia, um político passou por ali e ficou impressionado com as melhorias e foi falar com o prefeito para organizar uma comissão para decidir o que ainda precisava ser feito na região. Essa comissão deu origem a muitas outras, que hoje se espalham pelo país, ajudando os bairros pobres a se reconstruírem.

Leia o conto completo “A Menina do Vestido Azul” no site Contando Histórias.

 

….

 

E então, o que achou das nossas histórias? Três delas estão voltadas para essa percepção de que a humanidade tem o poder de ajudar a si mesma e construir um mundo melhor, enquanto outra fala da nossa relação com a natureza. Aproveite para desenvolver esses temas com seus filhos de uma forma lúdica, especialmente considerando o momento pelo qual estamos passando, que exige que sejamos solidários uns com os outros.

Etiquetas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X